04 jan 2011
 Por 
Blog do Seridó
 às 
17:05min. 
 em 
PMDB adia discussão de cargos e quer analisar novo salário mínimo

Ao mesmo tempo em que decidiu jogar para fevereiro a discussão com o governo e a base aliada sobre a distribuição dos cargos do segundo escalão, a cúpula do PMDB avisou que não está convencida do valor do salário mínimo de R$ 540 para 2011, definido por medida provisória. O líder do partido na Câmara, Henrique Eduardo Alves (foto), fez questão de ressaltar que “uma coisa não tem nada a ver com a outra”.

Henrique Eduardo Alves destacou que o PMDB não é um partido que apenas apoia o governo, mas uma sigla comprometida com o Congresso. “O PMDB é para isso, não é apenas para carimbar. É para discutir, questionar, corrigir, aperfeiçoar”. Ele acrescentou que pretende dar celeridade à tramitação da matéria e a ideia é votá-la no máximo até o início de março.

Sobre as vagas que o PMDB terá direito no segundo escalão do governo, o parlamentar afirmou que o partido “sai desse processo” e aguardará o momento em que a presidenta Dilma Rousseff retomará as discussões. “O que queremos é diálogo, é respeito, é entendimento. Afinal, foi uma campanha de coalizão para ganhar a eleição e é um governo de coalizão para se governar.”

O líder disse que o adiamento dessas discussões foi posta, ontem, pelo vice-presidente na reunião do Conselho Político do governo e reafirmada hoje à cúpula peemedebista. Segundo ele, o processo de discussão dos cargos de segundo escalão, quando desencadeado “na hora própria”, terá como canal natural o ministro de Relações Institucionais, Luiz Sérgio.

Ainda de acordo com Henrique, a decisão de adiar a discussão sobre os cargos do segundo escalão do governo também visa a não contaminar a composição das presidências da Câmara e do Senado e de suas respectivas mesas diretoras e comissões. “A hora é de desarmar espíritos, ânimos, para que possamos construir”, ressaltou o peemedebista.

Compartilhe:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!