28 set 2010
 Por 
Blog do Seridó
 às 
20:03min. 
 em 
Ex-vereador vendeu o mandato e registrou a transação em cartório

Um ex-vereador de Prata, a 312 km de João Pessoa (PB), é acusado de ter vendido o seu mandato ao primeiro suplente por R$ 35 mil e um cargo na prefeitura do município.

José Erinaldo de Sousa (PRP), conhecido como “Bobô”, registrou a transação no Cartório Notarial e de Registros de Prata.

No documento, que identifica o comprador como seu primeiro suplente, Israel Simões de Araújo (DEM), o ex-vereador declara “o recebimento da importância de R$ 35 mil, referente ao pagamento da venda” de seu mandato de vereador conquistado nas eleições de 2008.

O segundo suplente, Ginaldo Batista (PRP), entrou com um mandado de segurança na Justiça comum, pedindo a cassação de Israel.

Bobô renunciou ao cargo em junho deste ano, mas o caso foi descoberto apenas nesta semana.

O ex-vereador afirma que foi orientado a apresentar um requerimento informando a sua renúncia, para não caracterizar nenhum tipo de crime.

“Na verdade não houve renúncia. Foi a venda do mandato pelo preço citado”, diz Bobô.

Os nomes de outros dois vereadores constam na declaração: José Josafá Claudino, presidente da Câmara Municipal, e Felizardo Moura Nunes.

Ambos, segundo Bobô, participaram da negociação.

O ex-vereador, que não sabe ler, afirma que foi enganado por Israel e Ginaldo.

Segundo ele, o acordo com Israel previa o pagamento de R$ 35 mil para que ele apenas se afastasse provisoriamente das funções, e não renunciasse.

Ginaldo, por sua vez, teria ludibriado Bobô a assinar o documento no cartório atestando a venda do mandato, para assumir o cargo no lugar de Israel.

O ex-vereador disse ter assinado o documento sem conhecer o seu conteúdo.

Compartilhe:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!