08 mar 2013
 Por 
Blog do Seridó
 às 
07:42min. 
 em 
Boneleiros querem tornar boné do Seridó mais competitivo‏

O Sebrae no Rio Grande do Norte deverá investir R$ 500 mil para estimular inovação tecnológica no setor boneleiro do Seridó com foco na Copa. Essa indústria movimenta R$ 72 milhões por ano no Estado.

Caicó – A Copa do Mundo da FIFA 2014 representa uma oportunidade para a indústria boneleira do Rio Grande do Norte, especialmente a região Seridó, que reúne 80 bonelarias. A área é considerada o segundo maior polo produtor de bonés do País com uma produção média de mensal de 2,4 milhões de bonés. Para aproveitar a realização do megaevento no Estado, os empresários do segmento estão se unindo em para traçar ações para o fortalecimento do setor, que movimenta cerca de R$ 72 milhões por ano apenas no Rio Grande do Norte. O primeiro encontro do grupo ocorreu na quarta-feira (6), em Caicó.

Com o tema “Entrando em Campo Com a Copa na Cabeça”, o evento contou com a presença de representantes do Sebrae no Rio Grande do Norte, do Sistema FIERN, IFRN, Sindicato das Indústrias de Bonés e Chapéus do Estado (Sindibonés-RN) e Associação Seridoense dos Fabricantes de Bonés (Asfab) e empresários do setor. O diretor Técnico do Sebrae-RN, João Hélio Cavalcanti, defende que o mundial de futebol será um momento propício para o fortalecimento do setor boneleiro no Seridó em função da demanda e pelas características do evento. “É importante que o nosso boné seja competitivo. Estamos investindo R$ 500 mil para estimular os produtores a lançar produtos diferenciados e inovadores”..

Os recursos serão investidos basicamente em capacitação, uma área fundamental para o desenvolvimento desse tipo de indústria. “O Seridó vai vestir a cabeça dos brasileiros. É preciso que toda a classe boneleira abrace e vista camisa do boné para a Copa de 2014”, ratifica o presidente da Asfab, Adácio Medeiros Nogueira. A ideia é tornar o boné seridoense reconhecido nacionalmente e mundialmente. “A categoria está se fortalecendo. Temos interesse que todo mundo cresça junto e, para isso, estamos nos capacitando”, diz o presidente do Sindibonés-RN, Jaedson Dantas.

Aumentar a competitividade das bonelarias é uma das metas do Sebrae até 2014, visando vincular o boné do Seridó a produtos licenciado pela Federação Internacional de Futebol (FIFA). “Vamos trabalhar em um boné especial para atender a essa demanda de mercado, além do trabalho junto às multinacionais patrocinadoras da Copa. Essas empresas poderão continuar comprando o boné seridoense mesmo após o evento. É importante que o segmento cresça antes, durante e depois do mundial”, alega o gerente do Escritório Regional do Sebrae no Seridó Ocidental, Pedro Medeiros.

O presidente do Sistema FIERN, Amaro Sales, também participou da reunião e afirmou que a indústria do Rio Grande do Norte precisa se interiorizar. Na visão do executivo, o setor de bonelaria vem sendo pioneiro nesse sentido. “Temos um evento mundial a ser realizado no Rio Grande do Norte. Acredito que nichos de mercado surgem para serem explorados. Vamos aproveitar a Copa do Mundo, e a presença maciça de turistas, para garantir o fortalecimento da nossa indústria”. Atualmente, as unidades produtoras no Seridó estão praticamente concentradas nos municípios de Caicó, São José do Seridó e Serra Negra do Norte, gerando emprego, renda e desenvolvimento econômico para toda a região.

Compartilhe:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!