31 jan 2016
 Por 
Blog do Seridó
 às 
21:10min. 
 em 
Crise econômica pode tirar Brasil do ESO

Modelo computadorizado do E-ELT, que terá mais de 80 metros de altura e um espelho de 39 metros de diâmetro / ESO/L. Calçada

Devido à crise financeira, o Brasil pode ficar de fora do ESO (Observatório Europeu do Sul), grupo de 15 países que opera telescópios no deserto do Atacama, no Chile. A presidente Dilma Rousseff ainda não ratificou o acordo que libera 270 milhões de euros (quase R$ 1,2 bilhão) em parcelas anuais, até 2021, para que o País se torne membro.

Convidado oficialmente em 2010, o Brasil passou a discutir com o ESO a forma de se tornar o primeiro país não-europeu do grupo. No ano passado, a Câmara dos Deputados e os senadores aprovaram a entrada na organização. O projeto, no entanto, esbarrou em Dilma, que ainda não sancionou.

O Brasil passa por uma grave crise e Dilma precisa cortar custos. Boa parte da comunidade científica, especialmente os astrônomos, cobra a liberação da verba, para que estudantes brasileiros possam utilizar com mais frequência os telescópios. O ESO possui três grandes centros de observação no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor.


Compartilhe:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!



WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com